Skip to content Skip to navigation

OpenStax-CNX

You are here: Home » Content » Uso de tesauros na World Wide Web

Navigation

Recently Viewed

This feature requires Javascript to be enabled.
 

Uso de tesauros na World Wide Web

Module by: Tiago Murakami. E-mail the author

Summary: Modulo enfoca o uso de tesauros para a organização das informações na World Wide Web

Introdução

O objetivo deste tutorial é ajudar os interessados a utilizarem os tesauros no ambiente Web.

Para cumprir esse objetivo, demonstraremos todas as dificuldades de uso e a necessidade de cuidado com o seu emprego e também demonstraremos formas de se empregar o tesauro de modo que dê um bom retorno ao investimento e que demonstre o valor do trabalho intelectual do bibliotecário.

Esse tutorial está em constante aperfeiçoamento. Caso queira contribuir, envie um e-mail para mim: trmurakami@gmail.com

Sobre Tesauros

Consulte a Wikipédia Biblioteconomia para conhecer o que são os Tesauros

Descrição de tesauros em tecnologias da Web

O primeiro passo para a utilização de tesauros no ambiente Web é adaptá-los aos padrões tecnológicos que são a base da Web. Essa adaptação terá que acompanhar o desenvolvimento da própria Web. Os três modos atuais mais importantes de representação de tesauros em tecnologia da Web são:

  1. Tesauros no formato Texto estático, mas navegáveis
  2. Tesauros com interface gráfica e visual avançada
  3. Tesauros em formatos legíveis por máquinas

Tesauros no formato Texto estático, mas navegáveis, são o formato mais comum encontrado na Web. A tecnologia usada pode ser tanto HTML como PHP. Eles utilizam os hyperlinks, que permitem navegar entre textos ou dentro do próprio texto de forma rápida. Com isso, os tesauros se tornam navegáveis e mais fáceis de serem consultados.

Tesauros com interface gráfica e visual avançada são um aperfeiçoamento do formato anterior, pois permite uma apresentação mais fácil de navegação e avanços gráficos como a visualização de mapas de redes de relacionamentos entre termos em três dimensões. Para tanto, utilizam tecnologias complementares como o Java.

Tesauros em formatos legíveis por máquinas são um avanço considerável para a utilização de tesauros na Web. Porém, ainda é muito cedo para considerar que eles estão plenamente conectados a esse ambiente. É possível afirmar que os tesauros legíveis por máquinas estão apenas no seu começo. As discussões sobre vão desde a necessidade de definição de um padrão para a representação de tesauros em tecnologias Web manipuláveis por máquinas como o XML e o RDF.

Funções dos Tesauros na Web e Ambientes de utilização

A norma ANSI-NISO Z39.19-2005 define 5 funções para os tesauros:

  1. Tradução: Para prover um modo para traduzir a linguagem natural dos autores, indexadores e usuários para um vocabulário controlado usado para indexação e recuperação.
  2. Consistência: Para promover consistência na designação de termos de indexação.
  3. Indicação de Relacionamentos: Para indicar relacionamentos semânticos entre termos.
  4. Recuperação: Para servir como uma ajuda na busca e recuperação de documentos.
  5. Nome e navegação: Provê hierarquias claras e consistentes em um sistema de navegação para ajudar usuários a localizar objetos de conteúdo desejados.

Esses itens acima são funções dos tesauros em qualquer ambiente, sem ser necessáriamente a Web. Diversos autores falam de funções dos tesauros na Web (consulte MURAKAMI, 2005 [link]). Essas funções servirão apenas como referência, o que permite adaptá-las e também utilizar funções que não estão descritas acima.

Como referência, os tesauros podem ser utilizados nos possíveis ambientes listados abaixo, lembrando que essa não é uma lista exaustiva, mas só de referência:

Implementação de tesauros na Web

O processo de implementação de tesauros em um ambiente informacional na Web é complexo e deve ser realizado com cuidado. O tesauro é uma ferramenta de custo muito elevado e sua má utilização acarretará um grande desperdício de dinheiro e tempo de recursos humanos. Aqui procuraremos demonstrar alguns passos para utilizar os tesauros com cuidado, de modo que ele dê um retorno esperado.

O primeiro passo recomendado é a realização de um diagnóstico na Interface do Sistema em que o tesauro tem potencial de utilização. O resultado do diagnóstico demonstrará a necessidade ou não de um tesauro.

Diagnóstico

O diagnóstico é uma etapa importante para a criação de um projeto para implementação do tesauros em qualquer ambiente Web. Emprestaremos a definição de Diagnóstico Organizacional feita por ALMEIDA (2000) [link] como base para um diagnóstico do serviço de informação:

Definition 1: Diagnóstico Organizacional
"O processo sistematizado, com tempo e espaço definidos, de avaliação de serviços em organizações pode ser denominado diagnóstico organizacional. Consiste numa intervenção na rotina da organização, emprestando conceitos e métodos das ciências sociais para avaliar o estado da organização num determinado momento e encontrar formas de melhorar sua eficácia. Seus objetivos específicos são: identificar pontos fortes e fracos na estrutura e no funcionamento da organização; compreender a natureza e as causas dos problemas ou desafios apresentados; descobrir formas de solucionar esses problemas; e melhorar a eficácia organizacional."

Porém, o nosso objetivo não é fazer um diagnóstico organizacional e sim um diagnóstico apenas da interface do sistema. Com isso, baseado na definição anterior, criamos uma mais simples:

Definition 2: Diagnóstico da Interface
"O processo sistematizado, com tempo e espaço definidos, de avaliação das interfaces dos serviços em sistemas informacionais. Consiste em avaliar o estado da interface do sistema num determinado momento e encontrar formas de melhorar sua eficiência. Seus objetivos específicos são: identificar pontos fortes e fracos na estrutura e no funcionamento dos serviços disponibilizados; compreender a natureza e as causas dos problemas ou desafios apresentados; descobrir formas de solucionar esses problemas; e melhorar a eficiência do serviço."

O diagnóstico deve ter como resultado um documento que seja um retrato dos serviços oferecidos na interface dos sistemas. Consulte ALMEIDA, 2000 [link] para mais detalhes de como elaborar um diagnóstico.

Faremos uma lista não exaustiva de possíveis pontos em que o tesauro poderá ser a resposta para o problema:

  • Deficiência nos pontos de acesso à informação
  • Falta de conhecimentos da área pelos usuários para utilizar o sistema
  • Falta de padronização
  • Falta de aprofundamento na construção da Arquitetura da informação do WebSite

Projeto

A partir dos problemas encontrados, devê-se iniciar um projeto para utilizar o tesauro como ferramenta para acabar com um problema encontrado.

Calculo dos custos

Os custos deverão ser projetados conforme a real necessidade. Aqui faremos uma listagem dos principais custos existentes.

Custos quando já existe um tesauro construído:

  • Adaptação do tesauro semanticamente
  • Adaptação do tesauro em linguagem Web
  • Adaptação do tesauro ao sistema

Custos quando ainda não existe um tesauro construído:

  • Contrução do tesauro
  • Contratação de especialista
  • Manutenção

O projeto normalmente terá como conseqüência a modificação do sistema como um todo. Para isso, será necessário avaliar essa possibilidade.

Softwares para a criação e gerenciamento de tesauros

Os softwares de criação de tesauros ainda não estão completamente adaptados a Web. Mas são ferramentas que facilitam bastante a representação de tesauros em tecnologias Web. Devido a restrições de acesso, falaremos aqui somente de softwares livres disponíveis. São eles:

  • Tematres

Tematres

O Tematres é um software para a gestão de linguagens documentárias desenvolvido por Diego Ferreyra. A tecnologia utilizada é o PHP em uma base de dados MySQL. O que esse software permite:

  • Gerir a linguagem documentária usada pelo sistema de informação;
  • Possibilitar o acesso por navegação, usando a linguagem documentária, em uma Biblioteca Digital; (Para essa funcionalidade, é necessário adaptar o software ao sistema utilizado)
  • Se utilizado para a criação de estrutura de navegação em Web Sites; (Para essa funcionalidade, é necessário adaptar o software ao sistema utilizado)
  • Exportar termos em: Dublin Core, Zthes e SKOS-CORE 1.0

Emprego de tesauros em ambientes específicos

Trataremos aqui nesse capítulo a possibilidade mais real de utilização de tesauros na web, tendo como base a sua utilização em ambientes em que o tesauro já comprovou a sua eficácia.

Eles podem ou não, a partir daí, serem utilizados para a construção de sistemas de navegação mais consistentes e utilizar os relacionamentos semânticos para a criação de inferências.

Arquitetura da Informação

Os tesauros não são necessáriamente utilizados na Arquitetura da Informação. Porém, suas técnicas de construção são de grande valor para a definição de categorias e taxonomias.

Para mais detalhes, leia ANDRADE, 2005.

Bibliotecas Digitais

O uso em Bibliotecas digitais depende da organização do acervo já existente. Caso ele exista e já utiliza o tesauro para a indexação, o tesauro online servirá para a construção de uma ferramenta de navegação por assunto.

Para mais detalhes, leia MURAKAMI, 2005 [link]

Referências

ALMEIDA, Maria Christina Barbosa. Planejamento de bibliotecas e serviços de informação. Brasília: Briquet de Lemos, 2000.

ANDRADE, Julietti de. As Contribuições das Linguagens Documentárias e da Terminologia à Arquitetura da Informação em Websites. São Paulo, 2005. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Curso de Biblioteconomia e Documentação, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. Disponí­vel em: Texto completo. Acesso em: 23 08 2005.

MURAKAMI, Tiago R. M. Tesauros e a World Wide Web. São Paulo, 2005. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Curso de Biblioteconomia e Documentação, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. Disponí­vel em: Texto completo. Acesso em: 23 08 2005.

NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION (U.S.). Guidelines for the construction, format, and management of monolingual thesauri / developed by the National Information Standards Organization: approved August 28, 2003, by the American National Standards Institute - ANSI/NISO Z39.19 – 2003 (revision of Z39.19 – 1980). Bethesda (USA): NISO Press, 2003. ISBN 1-880124-04-1.

NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION (U.S.). Guidelines for the construction, format and management of monolingual controlled vocabularies / developed by the National Information Standards Organization: Ballot Period: April 11 – May 25, 2005. ANSI/NISO Z39.19-200X. Bethesda (USA): NISO Press, 2005. ISBN: 1-880124-65-3

Content actions

Download module as:

Add module to:

My Favorites (?)

'My Favorites' is a special kind of lens which you can use to bookmark modules and collections. 'My Favorites' can only be seen by you, and collections saved in 'My Favorites' can remember the last module you were on. You need an account to use 'My Favorites'.

| A lens I own (?)

Definition of a lens

Lenses

A lens is a custom view of the content in the repository. You can think of it as a fancy kind of list that will let you see content through the eyes of organizations and people you trust.

What is in a lens?

Lens makers point to materials (modules and collections), creating a guide that includes their own comments and descriptive tags about the content.

Who can create a lens?

Any individual member, a community, or a respected organization.

What are tags? tag icon

Tags are descriptors added by lens makers to help label content, attaching a vocabulary that is meaningful in the context of the lens.

| External bookmarks